Vendas de elétricos da Renault – Nissan abaixo do previsto | Veículos Elétricos
150
post-template-default,single,single-post,postid-150,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-16.3,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.6,vc_responsive

Vendas de elétricos da Renault – Nissan abaixo do previsto

As vendas de veículos elétricos da Aliança Renault – Nissan deverão ficar abaixo do objetivo previsto de 1,5 milhões de unidades em 2016. Segundo a edição ‘online’ do Automotive News, o CEO da Nissan e da Renault, Carlos Gosh, admitiu que as duas marcas dificilmente cumprirão esse objetivo nesse ano. A Nissan vendeu apenas 62 mil unidades do Leaf desde a estreia deste modelo elétrico em finais de 2010. A Renault entregou menos de 20 mil unidades dos seus quatro modelos elétricos: Fluence ZE, Kangoo ZE, Twizy e ZOE.

As vendas de ambas as marcas estão abaixo do ritmo previsto por Carlos Gosh em 2011: 1,5 milhões de unidades até ao final do ano fiscal que termina a 31 de março de 2017.

Para impulsionar as vendas de veículos elétricos, a Nissan irá introduzir mais três modelos até 2016, incluindo a versão elétrica do furgão NV200. O Leaf passou a ser comercializado em três níveis de equipamento numa lógica de disponibilização de versões de entrada na gama com um custo de aquisição mais baixo. Por Carlos Moura

1 Comment
  • jose diamantino de freitas sousa chapeu
    Posted at 11:32h, 01 Setembro Responder

    Quem me consegue esclarecer pormenorizadamente a estas dúvidas que considero relevantes,uma vez que já testei várias marcas de automóveis com sistema plug-in com autonomia entre trinta a cinquenta quilómetros?
    -durabilidade das baterias(há especialistas que afirmam que ao fim de um ano podem perder até 30% do valor de carga).
    -Há quem diga que há marcas que fazem a substituição dos módulos avariados, ficando mais barato a reparação do que a substituição por uma nova bateria.
    -havendo marcas de automóveis que variam a garantia de seis a dez anos, na perda de carga das mesmas até que valor fazem a sua substituição,sendo um dos fundamentos principais da sua média de consumo a autonomia da bateria?
    -há quem diga que as manutenções destes carros são o triplo dos valores do disel.
    De todos as dúvidas expostas, para mim são as mais relevante na aquisição de um plug-in, achando que nos contatos com as marcas há uma hesitação nas respostas ás perguntas feitas que acima referi.

Post A Comment