Veículos Elétricos | Volkswagen e-Golf: acima de tudo um Golf
17123
post-template-default,single,single-post,postid-17123,single-format-gallery,ajax_fade,page_not_loaded,,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-7.6.2,wpb-js-composer js-comp-ver-5.3,vc_responsive

17 Mai Volkswagen e-Golf: acima de tudo um Golf

Ao introduzir a primeira versão puramente elétrica do modelo europeu com maior sucesso de vendas em todos os tempos, os  responsáveis da Volkswagen impuseram uma condição à equipa responsável pelo desenvolvimento do e-Golf: em primeiro lugar teria de ser um Golf, mantendo todas as caraterísticas reconhecidas pelo mercado deste modelo; só em seguida é que seria elétrico. O objetivo é permitir uma utilização quotidiana idêntica a qualquer outra versão da gama.

Com base nestes pressupostos, a Volkswagen desenvolveu uma versão do e-Golf que mantém todas as caraterísticas originais do mítico Golf, cuja principal diferença relativamente ao seus irmãos de ‘combustão interna’ consiste na adoção de um sistema de propulsão elétrica. Em termos de imagem só os mais atentos se conseguem aperceber que estamos perante a versão ‘emissões zero’, o que se deve aos faróis em LED e aos farolins em ‘C’, caraterística visual de todos os modelos da marca equipados com motorização elétrica ou híbrida ‘plug-in’, ao que se junta um perfil transversal azul na grelha do radiador e nas coberturas dos faróis (linha e-Design). De série são ainda os farolins em LED e as jantes em liga leve de 16 polegadas.

Para melhorar o coeficiente aerodinâmico em aproximadamente dez por cento em relação à versão 1.6 TDI, os engenheiros da Volkswagen adotaram algumas medidas específicas, como a redução da percentagem de ar de refrigeração através de um obturador e de uma grelha parcialmente fechada no radiador, revestimentos especiais no piso inferior e um adicional do compartimento da bateria, um aileron próprio na secção traseira, guias de ar nos pilares C e jantes aerodinâmicas com orifícios fechados.

Ao contrário do Volkswagen Golf GTE, que tem a entrada para a tomada de carregamento na parte dianteira do veículo, o e-Golf manteve a localização original do ‘tampão do depósito’ que agora recebe o carregador, o qual permite o carregamento em modo normal ou rápido, recorrendo, neste último caso ao Sistema de Carga Combinada CCS (Combined Charging System).

VWeGolf009

O interior do e-Golf poucas diferenças apresenta relativamente á versão de combustão equipada com caixa de dupla embraiagem DSG, distinguindo-se apenas pelo desenho padrão específico com revestimentos especiais dos bancos em Merlin e-grey, inserções decorativas “Iridium Matrix” no tabliê no lado do condutor e nos revestimentos dos painéis das portas, assim como as inserções “Dark Magnesium” na consola central e no tabliê no lado do passageiro. Á semelhança do exterior, também o habitáculo possui tonalidades em azul, nomeadamente nas costuras decorativas no acabamento em couro do volante e do punho da alavanca do seletor de velocidades, nos bancos e nos tapetes.

A versão elétrica do Golf apresenta ainda outra diferença no painel de instrumentos, uma vez que o mostrador de kW, localizado no lado esquerdo, substitui o conta-rotações, além de indicar os principais níveis de energia do veículo: se o motor está pronto para arrancar, se a bateria está a ser carregada via travagem regenerativa ou ainda a energia que está a ser consumida. No lado direito encontra-se o tradicional velocímetro analógico que possui, na parte inferior, um indicador do nível da carga da bateria de alta tensão. No ecrã a cores, situado entre o display de kW e o velocímetro são indicados outros valores, casos de uma exibição contínua da autonomia, o nível de travagem regenerativa que está ativo e as informações sobre o restante tempo de carga e o tipo de ficha de carregamento ligada.

A consola central do e-Golf alberga um ecrã tátil de oito polegadas, que integra o sistema de rádio e de navegação “Discover Pro”, o qual fornece dados acerca das principais funções do veículo: monitor de autonomia, indicador de fluxo de energia, e-Manager (permite pré-programar até três tipos de arranque e carga, incluindo a regulação dos níveis do sistema de ar condicionado e a pré-carga da bateria); raio de 360º (zona de ação para trajeto de ida e volta ou apenas de ida).

VWeGolf013

Além do sistema “Discover Pro”, o equipamento de série compreende ainda o sistema de ar condicionado automático, volante e punho do seletor de velocidades em couro, cruise control, sensores de chuva e luminosidade, vidros e espelhos elétricos, fecho centralizado, faróis de nevoeiro, airbags frontais, laterais e cortina.

VWeGolf012Após a ligação da ignição surge, na parte inferior do ecrã multifunções, a mensagem “READY”, indicando que o veículo está pronto a circular. Depois basta colocar o seletor da caixa na posição “D” ou “B”, carregar ligeiramente no acelerador e o e-Golf começa a rolar silenciosa e suavemente, desde os primeiros metros até velocidades mais elevadas. Para o efeito conta com um motor elétrico síncrono que desenvolve uma potência máxima de 85 kW (115 cv) e um binário de 270 Nm que está disponível logo no arranque, proporcionando umas prestações dignas de um desportivo. Para acelerar dos 0 aos 60 km/h bastam 4,2 segundos e atinge os 100 km/h em 10,4 segundos. A velocidade máxima está limitada eletronicamente a 140 km/h para não penalizar muito a autonomia da bateria de iões de lítio que pode chegar até aos 190 quilómetros em circuito urbano.

VWeGolf011A bateria de iões de lítio está localizada sob o habitáculo e não restringe a habitabilidade nos lugares traseiros, sendo de referir que a bagageira oferece uma volume útil de 343 litros. A bateria é constituída por 264 células integradas em 27 módulos (de seis e doze células), possuindo uma capacidade total de 24,2 kWh. Em função do tipo de carregamento, a bateria pode demorar até 13 horas para recuperar a sua capacidade máxima numa tomada doméstica, mas a opção por uma wallbox de 3,6 kW ou por um posto público lento da rede MobiE permite reduzir esse tempo para cerca de oito horas. Nos (ainda poucos) postos públicos de carga rápida de 40 kW é possível carregar até 80 por cento da capacidade da bateria em cerca de 30 minutos. No que se refere ao consumo energético, a unidade ensaiada do e-Golf registou valores entre 13,1 e 15,7 kWh/100 km, o que, para um preço de 14 cêntimos por kWh (tarifa baixa tensão EDP até 20,7 kVa), se traduz num custo entre 1,83 e 2,2 euros. Para percorrer os mesmos cem quilómetros, o Volkswagen Golf 1.6 TDi Bluemotion de 110 cv, que regista um consumo médio de 4,8 l/100 km, necessita de 5,57 euros para percorrer os mesmos cem quilómetros. No mercado nacional, o Volkswagen e-Golf tem um preço de venda ao público a partir de 39.306 euros. Para as empresas, que têm possibilidade de deduzir o IVA, o preço final fica em 31.700 euros, um valor ligeiramente acima do proposto para o Volkswagen Golf 1.6 TDI DSG GPS Edition (exclusivo para frotas), mas que tem a vantagem de oferecer custos de energia e manutenção bastante inferiores às da versão térmica. Além disso, é um Golf. Só que elétrico…

Perfis de condução ‘Eco’ e ‘Eco +’ 

VWeGolf010O Volkswagen e-Golf oferece ao utilizador três perfis de condução – ‘Normal’, ‘Eco’ e ‘Eco+’ – que permite otimizar a autonomia. O veículo arranca sempre em modo ‘Normal’, que disponibiliza a potência máxima de 85 kW (115 cv) e o binário de 270 Nm. Caso pretenda limitar ligeiramente as prestações e aumentar a autonomia pode obter pelo modo ‘Eco’, que reduz a potência máxima do motor para 70 kW e o binário para 220 Nm. Simultaneamente, o sistema eletrónico diminui a potência do climatizador automático e modifica para uma resposta mais plana a curva caraterística do pedal do acelerador. Neste modo, o e-Golf pode alcançar uma velocidade máxima de 115 km/h em vez dos 140 km/h em modo ‘Normal’ e a aceleração dos 0 aos 100 km/h é efetuada em 13,1 segundos em vez de 10,4 segundos. No modo ‘Eco+’, o sistema eletrónico limita a potência máxima a 55 kW e o binário de arranque a 175 Nm, um valor que é mais do que suficiente para um circulação normal em ambiente urbano, com reflexos positivos ao nível da autonomia. Neste modo,   a velocidade máxima é de 90 km/h, sendo a aceleração correspondente mais espaçada. No entanto, em caso de necessidade, o utilizador tem a possibilidade de obter a potência máxima, o binário máximo e a velocidade máxima de 140 km/h através da função ‘kick-down’.

Quatro opções de travagem regenerativa

VWeGolf014Com o objetivo de otimizar a autonomia, o e-Golf oferece quatro opções de travagem regenerativa, ‘D1’, ‘D2’, ‘D3’ e ‘B’, que fazem desacelerar intencionalmente o veículo, e uma quinta ‘D’ sem recuperação da energia cinética. Com a alavanca seletora em ‘D’, o utilizador tem apenas de deslocar ligeiramente o punho para a esquerda para passar aos modos ‘D1’ (um toque), ‘D2’ (dois toques) ou ‘D3’ (três toques). Para regredir, basta manejar a alavanca ligeiramente para a direita. Se deslocar a alavanca seletora para trás, o condutor ativa o modo de regeneração ‘B’.

O nível ‘D1’ é o mais baixo e aquele que menos desacelera o veículo, seguindo-se o ‘D2’, o ‘D3’ e o ‘B’, sendo que nestes últimos três casos, a desaceleração através da travagem regenerativa é tão intensa que são ativadas automaticamente as luzes de travagem. Todavia, se a bateria estiver totalmente carregada, o sistema não regenera energia.

Juntamente com o sistema de regeneração de energia, a Volkswagen desenvolveu um servo-freio mecânico exclusivo para automóveis elétricos, denominado “e-BKV”, que otimiza a força da travagem, à semelhança do que ocorre nos veículos de combustão. No caso do “e-BKV”, este procedimento ocorre através de um processo denominado “Brake Blending”, que produz travagens suaves exclusivamente com o momento de desaceleração do motor elétrico. Caso seja necessária uma desaceleração mais forte, os sistemas de travagem do motor elétrico e de travagem hidráulico atuam em combinação.

 

Custo de energia 100 km

Volkswagen Golf 1.6 TDi 110 cv     5,57 euros

Volkswagen e-Golf    1,83 euros

 

FICHA TÉCNICA

Motor                         Elétrico síncrono permanente

Potência                                 85 kW (115 cv) cv/12.000 rpm

Binário                                   270 Nm

Bateria                                    Iões de lítio

Capacidade                            24,2 kWh

Peso                                        1.585 kg

Comp/larg/alt (m)           4,27/1,79/1,49

Aceleração 0-100 km         10,4 s

Velocidade máxima               140 km/h

Autonomia                             190 km

Tempo de recarga                   30 minutos a 13 horas

Preço

39.306 euros (particulares)

31.700 euros (empresas)

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someonePrint this page
Sem Commentários

Postar comentário