Governo apoia aquisição de táxis elétricos | Veículos Elétricos
21077
post-template-default,single,single-post,postid-21077,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-16.3,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

Governo apoia aquisição de táxis elétricos

O Governo vai apoiar a aquisição de táxis elétricos e limitar a idade média dos veículos em circulação. Estas duas recomendações constam no relatório entregue ao Ministério do Ambiente pelo grupo de trabalho que reuniu as principais entidades do setor – Federação Portuguesa do Táxi (FPT), ANTRAL e Instituto de Mobilidade e Transportes (IMT).

Para este ano, o Estado tem disponível uma verba de 750 mil euros. Mediante comprovativo para a aquisição de um veículo 100% elétrico para o serviço de táxi, o proprietário pode ser comparticipado com cinco mil euros pelo Estado, valor acrescido com mais 2.500 euros se o veículo para abate tiver mais de 10 anos; cinco mil euros se tiver mais de 15 anos; ou 7.500 se a idade for superior a 20 anos.

No seguimento do apoio à aquisição de viaturas elétricas, o Governo vai também comparticipar em cinco mil euros a instalação de cada posto de carregamento. A estratégia para a descarbonização e renovação da frota de táxis vai manter-se no próximo ano.

Na reunião entre a FPT, a ANTRAL e o IMT foram ainda discutidas outras medidas como: a alteração definitiva da cor dos táxis – preto e verde-mar, ao invés dos clássicos de cor bege, que deixarão de existir quando saírem de circulação; a localização obrigatória do taxímetro “na consola central e de forma visível”, por questões de transparência para com os utentes; ou ainda a possibilidade de suspensão da licença de táxi por um período único de 12 meses.

José Mendes, secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, citado pelo jornal Público, refere que “este é um trabalho feito pelo setor” e que “não nasceu por causa da Uber”. O executivo acredita que “o processo de modernização dos táxis não acaba aqui”, uma vez que as discussões, análises, e trabalhos com todas as entidades do setor, “são contínuos”.

No Comments

Post A Comment