Carregamento de veículos elétricos começa a ser pago em outubro | Veículos Elétricos
21350
post-template-default,single,single-post,postid-21350,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-16.3,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

Carregamento de veículos elétricos começa a ser pago em outubro

A secretaria de Estado da Energia publicou um despacho que determina o pagamento dos carregamentos dos veículos elétricos na rede da Mobi.E ainda este ano. O diploma refere que a entidade gestora da infraestrutura pública de mobilidade elétrica deverá garantir em 2018 as condições necessárias para se proceder à abertura do mercado de comercialização de energia para veículos elétricos.

A Mobi.E voltou a falhar o prazo para o início do pagamento dos carregamentos na rede pública em julho e prevê agora a abertura da fase de mercado durante o terceiro trimestre, isto é, até outubro. O não pagamento dos carregamentos dos veículos elétricos custa cerca de 29 mil euros por mês aos contribuintes.

Os carregamentos dos veículos elétricos vão estar isentos do pagamento da taxa DGEG, segundo foi determinado pelo secretário de Estado da Energia, Seguro Sanches. O referido despacho aprova ainda um apoio financeiro através do Fundo de Apoio à Inovação para a cobertura parcial dos custos associados com a utilização das redes do setor elétrico pela mobilidade elétrica. Na prática, este apoio irá consistir num desconto aplicável às tarifas de acesso às redes até um teto máximo de cerca de 13 cêntimos por kWh na tarifa tri-horária em horas de pico, que será aplicado pelos comercializadores nas faturas dos utilizadores de veículos elétricos. Esses valores serão depois compensados pela Mobi.E aos comercializadores via Fundo de Apoio à Inovação, após a validação das contas pela ERSE.

O despacho da secretaria de Estado da Energia adianta que os preços da eletricidade na mobilidade elétrica devem ser negociados livremente entre os consumidores e os comercializadores, mediante celebração de contrato de fornecimento de eletricidade, e devem traduzir e recuperar os custos com o aprovisionamento de energia elétrica, as tarifas de acesso às redes, os pontos de carregamento e as tarifas da Mobi.E, que serão ainda definidas pela ERSE.

De acordo com a Mobi.E, no primeiro semestre de 2018 foram efetuados 223 mil carregamentos na rede (mais 150% do que no período homólogo), que equivalem a 2,3 GWh (+206%). No total de 2017 foram feitos 229 mil carregamentos, num total de 2,1 GWh.

3 Comments
  • Nuno
    Posted at 13:08h, 07 Agosto Responder

    Deveriam investigar o que se passa, pois todos os postos de carregamento de Faro estão sem funcionar à mais de 1 ano.

  • Pedro Correia
    Posted at 17:17h, 07 Agosto Responder

    Talvez agora que vai ser a pagar, lá ponham em funcionamento as dezenas ou centenas de postos que estão avariados! Querem que as pessoas adiram à mobilidade elétrica mas o carregamento em via pública atualmente é uma verdadeira utopia (ou quase).

  • Ricardo Luís
    Posted at 22:10h, 07 Agosto Responder

    Os postos estão uma vergonha em todo o país. Foram abandonados pela mobi.e que neste momento está mais preocupada em por a render do que a manter. Vamos começar a pagar em outubro com 20% dos carregadores a funcionar. Isto dos carros eléctricos é um engano ( mesmo sem pagar).

Post A Comment