Ioniq – Um elétrico de cidade, um híbrido para a estrada  | Veículos Elétricos
21492
post-template-default,single,single-post,postid-21492,single-format-gallery,ajax_fade,page_not_loaded,,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-16.3,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

Ioniq – Um elétrico de cidade, um híbrido para a estrada 

A Hyundai tem três versões de um mesmo modelo: Ioniq. Testámos o 100% elétrico e tendo em conta a autonomia parece ser uma solução ideal para a cidade. O híbrido plug-in torna-se um veículo misto: para cidade e viagens longas.

A eficácia na poupança de emissões de CO2 é cada vez mais uma preocupação para as fabricantes de automóveis que apresentam diversas soluções: colocar um motor elétrico que apenas auxilia o motor de combustão, tornando-o mais eficiente (veículo híbrido); há possibilidade de ter um motor elétrico e circular apenas com ele durante algumas dezenas de quilómetros e terminada a autonomia, passar para um motor de gasolina ou gasóleo (híbrido plug-in) e ainda circular em modo 100% elétrico (EV – Electric Vehicle). As marcas optam por cada uma destas opções e mesmo que escolham as três, aplicam-nas em modelos diferentes. A Hyundai tomou uma decisão um pouco diferente. Criou o modelo Ioniq e aplicou-lhe as três opções tecnológicas.

Por fora, os “ióniques” parecem todos iguais, são muito pequenas as diferenças visíveis a “olho nu”. Dentro, acontece o mesmo… três carros, três designs iguais. Muda de facto o que não está visível. A Veículos Elétricos teve oportunidade de testar o Ioniq EV, 100% elétrico, e o Ioniq PHEV (híbrido plug-in).

O primeiro veículo testado foi o 100% elétrico, que conquistou em poucos segundos, deixando a lamentar apenas a fraca autonomia: cerca de 200 quilómetros reais (anunciados são 250). Conforto, tecnologia a bordo e boa capacidade de regeneração são alguns dos pontos de destaque.

O banco do condutor, que tem duas posições para memória, chega automaticamente atrás, sempre que desligar o motor e abre a porta, facilitando a entrada e saída do carro. Quando voltar a entrar, o banco automaticamente regressa à posição pré-definida. O volante, tal como os bancos, tem possibilidade de aquecimento, sendo que os bancos podem ainda ser arrefecidos. Um friso azul ou dourado, que contrasta com a tonalidade prata dos acabamentos, dá elegância a este modelo cujo preço da versão ensaiada foi de 40.029 euros com pintura metalizada (sem despesas de legalização e transporte). O carro tem ainda câmara traseira e guias de orientação para estacionamento, acompanhados com sensores que acionam avisos sonoros sempre que estiver próximo de um obstáculo. Alia-se ainda a manutenção dentro da faixa, corrigindo a direção sempre que pisar um traço sem ter acionado o pisca, alerta de colisão e o VESS (Virtual Engine Sound System), que possibilita ao motor elétrico emitir um ruído tornando assim o carro mais percetível para os peões.

Pisar o acelerador de veículos elétricos nunca desilude e o Ioniq EV não é exceção. Com um binário de 295 Nm e o motor síncrono de íman permanente, com 88 kWh (120 cavalos), o arranque é potente e consegue-se manter ao longo de uma viagem. Vai querer reduzir o ritmo, apenas, por ver o nível de bateria a descer consideravelmente, apesar do nível de regeneração ser bastante positivo. Duas patilhas no volante permitem definir o nível de regeneração, desde o zero até à posição três (na qual o veículo desacelera muito mais sempre que retira o pé do travão, limita a aceleração, entre outros métodos que permitem poupar a autonomia). O consumo médio deste veículo é 11,5 kWh por cada 100 quilómetros, o que o torna num elétrico económico, isto claro se mantiver o pé direito leve e não optar pelo modo sport. Este dá-lhe mais força, deixando para trás muitos dos outros veículos com quem partilha a estrada, mas também o levará mais vezes ao posto de carregamento mais próximo, algo que pode descobrir através do GPS que lhe dá indicação dos postos de carregamento num raio de quilómetros, por si escolhido, em relação à sua posição.

Quanto ao carregamento são vários os cenários. O carro vem equipado com carregador de 6,6 kWh, que permite carregamento em casa, que pode chegar às 12 horas. Esta opção poderá ser a menos sedutora, mas conseguem-se efeitos mais rápidos se carregar numa wallbox com corrente alternativa de três fases. Neste caso, o tempo de carregamento passa para pouco mais de quatro horas. Num posto de carregamento rápido, os tempos passam para 30 a 40 minutos.

Elétrico sem ansiedade de autonomia

A versão híbrida plug-in do Hyundai Ioniq é uma boa opção para que quem deseje ter um veículo elétrico para a cidade, mas poder utilizá-lo sem preocupações de autonomia na estrada. O Ioniq PHEV permite uma autonomia de cerca de 50 quilómetros apenas com o motor elétrico de 44,5 kWh. Sem grandes acelerações e contando com a boa capacidade de regeneração do carro, os quase 50 quilómetros de autonomia podem ser suficientes para as deslocações diárias na cidade. Quando a bateria de 8,9 kWh se esgotar tem um motor de gasolina de 1.6 litros (108 cavalos) para continuar viagem e aproveite porque a bateria vai sempre carregando, por exemplo com a travagem ou numa descida.

A utilização do motor a combustão não acontece apenas quando esgota o a capacidade da bateria, pode sempre optar por utilizá-lo carregando apenas num botão. O que acontece é que o veículo passa a utilizar ambos, conforme a condução feita, algo que pode ir sempre verificando no computador de bordo ou no painel do condutor graças aos gráficos disponíveis que dão a todo o momento informações sobre o consumo instantâneo e para onde está a ser canalizada a energia.

O modo sport traz mais alguma adrenalina a este Hyundai Ioniq PHEV, sendo que neste caso pode estar mais confortável com a aceleração que não desilude. E o melhor de tudo são os consumos que em circuito urbano, alternando entre o 100% elétrico, híbrido e sport, foram de 4,3 litros.

O mais ecológico

A associação automobilística ADAC testou 105 veículos em 2017 e elegeu o modelo elétrico Hyundai Ioniq com a classificação máxima de cinco estrelas no EcoTest. O objetivo da análise é avaliar a sustentabilidade e impacto no ambiente.

“O Ioniq Electric foi um dos cinco veículos a alcançar a classificação máxima de cinco estrelas, que inclui a avaliação das emissões de CO2 e restantes emissões poluentes. O Ioniq obteve a pontuação mais elevada de 105 pontos: uma pontuação máxima de 50 pontos para as baixas emissões de condução e de 55, em 60, pelo seu desempenho geral no que diz respeito a emissões de CO2, esclarece a Hyundai em comunicado.

Os especialistas da ADAC utilizaram, como base para avaliação, a combinação energética alemã de 579 g/kWh. Esta abordagem permitiu ao EcoTest da ADAC comparar motorizações alternativas com os motores de combustão convencionais.

“O resultado obtido pelo Ioniq Electric no EcoTest da ADAC realça a competência da Hyundai no desenvolvimento de tecnologia avançada e demonstra o espírito inovador da nossa marca”, refere Andreas-Christoph Hofmann, vice-presidente de marketing e produto na Hyundai Europa.

Desde a entrada no mercado, no final de 2016, a Hyundai vendeu mais de 28 mil unidades da gama Ioniq na Europa.

“Com uma classificação máxima de cinco estrelas atribuída pelo Euro NCAP no que respeita a segurança e muitos outros prémios europeus pelo seu desempenho geral, o Ioniq é um dos veículos ecológicos mais premiado e reconhecido do mercado”, conclui comunicado.

 

Ioniq EV

Motor elétrico: síncrono de íman permanente

Potência: 125 kW

Binário: 295 Nm

Bateria: Polímero de iões de lítio

Capacidade armazenagem: 28 kWh

Peso: 1.880 kg

Comprimento/largura/altura (metros): 4,5/1,8/1,5

Aceleração 0-100 km (segundos): 9,9 (sport) – 10,2 (normal)

Velocidade máxima: 165 Km/h

Autonomia: 250 Km

Tempo de recarga (100%): 4h25m (standard) – 30 m (50 kW) – 23 m (100 kW)

 

Ioniq PHEV

Motor combustão: Kappa 1.6 GDi

Potência combustão: 108 cavalos

Binário: 147 Nm

Emissões de CO2: 26 g/km

Motor elétrico: síncrono de íman permanente

Potência: 44,5 kWh

Binário: 170 Nm

Bateria: Polímero de iões de lítio

Capacidade armazenagem: 8,9 kWh

Autonomia: 63 Km

Tempo de recarga (100%): 2h15m

Potência máxima combinada: 141 kW (104 cavalos)

Binário máximo: 365 Nm

Peso: 1.970 kg

Comprimento/largura/altura (metros): 4,5/1,8/1,5

Aceleração 0-100 km (segundos): 10,6

Velocidade máxima: 178 Km/h

No Comments

Post A Comment