Nissan LEAF na Volta a Portugal em bicicleta | Veículos Elétricos
21585
post-template-default,single,single-post,postid-21585,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-16.3,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

Nissan LEAF na Volta a Portugal em bicicleta

Um jornal desportivo diário utilizou o novo Nissan LEAF para acompanhar a mais recente edição da Volta a Portugal em bicicleta. Pela primeira vez, um veículo elétrico integrou a caravana da mais importante competição do panorama ciclístico nacional, tendo percorrido 1.941 quilómetros em onze dias.

“O facto de estarmos a fazer a reportagem utilizando um Nissan LEAF causou grande expetativa na caravana da Volta a Portugal”, refere o jornalista Carlos Flórido. “Era o primeiro automóvel 100% elétrico a cumprir uma grande prova de ciclismo por etapas e alguns dos “obstáculos” justificavam a expectativa. Mais do que a autonomia das baterias, em causa estava a obrigatoriedade de as carregar ao longo de onze dias com quilometragens elevadas – o total foi de 1.941 quilómetros – e tendo intervalos de tempo limitados para cada paragem”.

Nas onze etapas da prova rainha do ciclismo nacional, o Nissan LEAF enfrentou e ultrapassou o calor tórrido do Alentejo e as subidas da Serra da Estrela. A etapa mais longa, com quase 400 quilómetros, de Albufeira a Portalegre, foi também a mais quente, com temperaturas acima de 45 graus centígrados, pondo à prova o Nissan LEAF e o condutor. Não obstante todas as dificuldades, a prova foi superada!

Se as planuras alentejanas foram um obstáculo difícil, o Nissan LEAF fez a subida mais difícil de Portugal, entre Seia e a Torre, consumindo apenas 30 por cento da bateria ao longo dos 28,3 km e vencendo um desnível de 1.501 metros. E a partir daí até à Covilhã não só não gastou energia como recuperou 5% da carga das baterias.

“Em Mondim de Basto, o Nissan LEAF fez o último carregamento da prova nas tomadas do camião-oficina da equipa vencedora, a W52-FC Porto. A Volta elétrica estava ganha!”, lembra Carlos Flórido.

 

Tags:
,
No Comments

Post A Comment