CaetanoBus vai produzir autocarro a hidrogénio para a Europa | Veículos Elétricos
21690
post-template-default,single,single-post,postid-21690,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-16.3,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

CaetanoBus vai produzir autocarro a hidrogénio para a Europa

A Toyota e a CaetanoBus, empresa da Salvador Caetano Indústria dedicada ao desenvolvimento e fabrico de autocarros, estabeleceram uma parceria e a empresa portuguesa vai construir um autocarro urbano movido a hidrogénio para a Europa.

«Esta parceria [formalizada publicamente a 26 de setembro] surgiu há vários meses. O autocarro já foi apresentado no Japão, no ano passado, mas não cumpre os standards europeus. Como já tínhamos feito autocarros elétricos, pareceu racional ficarmos com este projeto uma vez que vamos usar a mesma plataforma», explicou à Veículos Elétricos Jorge Pinto, administrador da CaetanoBus.

A empresa nacional comprou assim a tecnologia fuel cell (pilha de combustível), tanques de combustível e outros componentes à Toyota e, no final do próximo ano, poderá estar no mercado o primeiro autocarro urbano, produzido na Europa, movido a hidrogénio. O veículo será comercializado pela CaetanoBus a operadores europeus.

A CaetanoBus já está a produzir autocarros urbanos 100% elétricos e irá aproveitar esta plataforma para produzir o veículo a hidrogénio, que na realidade é um veículo elétrico que gera a eletricidade dentro do próprio veículo através do hidrogénio. «Vamos aproveitar dois chassis que temos para autocarro elétrico, vamos construir carroçarias e preparar para o veículo para receber o sistema de hidrogénio. A plataforma vai ser basicamente a mesma», afiança Jorge Pinto.

Quanto à autonomia, a CaetanoBus vai tentar equilibrar as autonomias dos modelos elétricos e hidrogénio. Jorge Pinto esclarece: «há aqui três questões: autonomia, preço e custo da solução. Temos como objetivo trabalhar com cerca de 350 quilómetros de autonomia nos autocarros a hidrogénio. Queremos também equilibrar isso, ou seja, ter um autocarro com baterias de 350 ou 400 kW para conseguir a mesma autonomia do hidrogénio. Não faz sentido compararmos um autocarro a hidrogénio com um autocarro elétrico com baterias de 150 kW. Ora, temos um gap de autonomias, mas equalizando as autonomias a ver se conseguirmos equalizar o custo do equipamento».

Paralelamente, à produção é necessário preparar o licenciamento para existirem depois posto de abastecimento de hidrogénio.

A CaetanoBus submeteu este projeto a fundos europeus através do Portugal 2020 e o investimento total será de três milhões de euros.

A Toyota esclarece que, com esta parceria, a Toyota reforça o seu contributo para a criação de uma sociedade baseada no hidrogénio, promovendo a tecnologia de pilha de combustível aplicada a outros meios de transporte que não apenas os veículos ligeiros de passageiros.

“O fornecimento dos nossos sistemas de pilha de combustível à CaetanoBus demonstra os muitos usos práticos e benefícios ambientais do hidrogénio para uma sociedade livre de carbono. Estamos realmente animados com a perspetiva de ver os primeiros autocarros do nosso parceiro automotivo de longa data nas estradas europeias”, afirmou Johan van Zyl, Presidente e CEO da Toyota Motor Europe. “Os autocarros a hidrogénio têm vantagens significativas em comparação com outros veículos de emissão zero, nomeadamente uma autonomia superior e um tempo de reabastecimento reduzido. Estes benefícios permitem que os autocarros movidos a pilha de combustível de hidrogénio possam operar em rotas mais longas e possibilitam uma maior utilização”.

 

No Comments

Post A Comment