Mitsubishi Outlander PHEV com emissões de 46 g/km em WLTP | Veículos Elétricos
21908
post-template-default,single,single-post,postid-21908,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-16.3,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

Mitsubishi Outlander PHEV com emissões de 46 g/km em WLTP

O Mitsubishi Outlander PHEV 2019 registou um valor de emissões de 46 g/km e uma autonomia em modo elétrico de 45 quilómetros nos novos testes WLTP (World harmonized Light vehicles Test), que são mais realistas dos que os anteriores realizados em ciclo NEDC (New European Driving Cycle).

O híbrido plug-in da Mitsubishi foi um dos primeiros veículos da sua categoria a ser classificado oficialmente segundo esta nova norma. Esta homologação permite a sua elegibilidade para os incentivos governamentais e o acesso a zonas delimitadas de baixas emissões em várias cidades do mundo.

Segundo a Mitsubishi, o Outlander PHEV 2019 conseguiu atingir estes valores, graças a um conjunto de melhorias, que garantem elevados níveis de performance. Entre as novidades destaque para o motor a gasolina de 2,4 litros que recorre ao sistema de distribuição variável MIVEC para alternar entre os ciclos de combustão Otto e Atkinson, consoante os modos de condução. Oferecendo mais potência em comparação com o seu antecessor (99 kW / 135 cv contra 89 kW / 121 cv), este propulsor disponibiliza ainda mais binário num intervalo de rotações mais amplo (211 Nm versus 190 Nm).

O grupo motopropulsor elétrico foi igualmente otimizado: o motor elétrico traseiro passou a desenvolver 70 kW (95 cv), enquanto a bateria de propulsão também registou um acréscimo de dez por cento e a capacidade aumentou para os 13,8 kWh.

O comportamento dinâmico também melhorou a baixas velocidades, graças a uma nova afinação dos amortecedores, enquanto um novo ‘modo desportivo’ proporciona uma melhor resposta à necessidade de aceleração e mais aderência, para a qual contribui também o sistema de tração integral Super All-Wheel Control. Ao nível da direção, a cremalheira surge mais ágil, enquanto a ECU foi reconfigurada, permitindo uma maior prontidão de resposta e uma sensação mais “direta” por parte do condutor. Este pode contar igualmente com o novo “modo de neve”, que melhora o arranque e a capacidade de curva em pisos escorregadios.

No Comments

Post A Comment