FlixBus aposta na mobilidade elétrica | Veículos Elétricos
21917
post-template-default,single,single-post,postid-21917,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-16.3,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

FlixBus aposta na mobilidade elétrica

A FlixBus colocou ao serviço o segundo autocarro expresso totalmente elétrico. Depois de em abril a empresa ter sido pioneira com a realização de um teste-piloto com dois autocarros expresso 100% elétricos (Yutong ICe 12) entre Paris e Amiens, em França, agora é a vez da Alemanha receber um exemplar zero emissões (BYD) para as viagens entre as cidades de Frankfurt e Mannheim.
O Flix-E-Bus, como é conhecido, fará duas viagens por dia, entre as duas cidades alemãs que distam cerca de 85 quilómetros entre si. A parceria entre a FlixBus e a Greenpeace Energy permitirá uma redução de 82 toneladas de emissões de CO2 no primeiro ano de operação, segundo consta num estudo realizado pela Atmosfair, divulgado pela FlixBus.

O novo autocarro elétrico fará um ou dois carregamentos por dia, e outro maior durante a noite na estação de Mannheim (ZOB), ou ainda um carregamento na estação de Frankfurt. Cada posto de carregamento suporta até 80 kilowatts de potência.

André Schwämmlein, CEO da FlixBus, refere que “queremos ajudar a moldar o futuro da mobilidade. Embora os ebuses sejam, atualmente, muito mais caros, estamos convencidos de que este será um investimento valioso a longo prazo, para nossa empresa, para os nossos clientes e para o meio ambiente”.

Por sua vez, Sönke Tangermann, membro do conselho de administração da Greenpeace Energy, reforça que “o nosso objetivo é convencer mais pessoas a optar pelo transporte público, pela partilha do automóvel ou das bicicletas. Não é suficiente apenas mudar para carros elétricos. Para que os veículos sejam amigos do ambiente, necessitam de ser alimentados por energia limpa, para isso, precisamos de uma evolução na tecnologia e na forma como as pessoas veem a mobilidade”.

No Comments

Post A Comment