Alemanha inaugura primeira autoestrada eletrificada | Veículos Elétricos
23103
post-template-default,single,single-post,postid-23103,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-16.3,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.6,vc_responsive

Alemanha inaugura primeira autoestrada eletrificada

Foi inaugurado o primeiro troço de autoestrada eletrificada para camiões, na Alemanha. O projeto eHighway contempla cinco quilómetros de via eletrificada na A5 entre Langen/Mörfelden e Weiterstadt, em ambos os sentidos. No total, a rede possui 229 postes de fornecimento de energia. O investimento total foi de 14,6 milhões de euros, assumidos pelo Ministério Federal do Ambiente.

Depois de vários testes-piloto, vão circular camiões nesta autoestrada em condições reais de tráfego. O objetivo é avaliar o impacto da circulação de camiões elétricos juntamente com o restante trânsito, assim como calcular o custo adicional de manutenção das infraestruturas rodoviárias.

Na A5, entre Langen/Mörfelden e Weiterstadt, circulam mais de 130 mil veículos por dia, entre os quais 13 mil veículos pesados. Reduzir o impacto ambiente provocado pelos elevados níveis de emissões é o objetivo do Ministério Federal do Ambiente, que assegura que “se funcionar aqui, funciona em qualquer lugar”. Todavia, não é expectável a eletrificação de toda a rede de autoestrada. Aquele ministério estima que, na Alemanha, mil quilómetros de autoestrada eletrificada seriam suficientes para garantir o transporte sustentável de mercadorias.

O custo por quilómetro eletrificado ronda um milhão de euros. Numa fase inicial, será o ministério a suportar a fatura da energia utilizada para carregar os camiões. Em curso, está já a construção de um segundo troço eletrificado no estado alemão de Schleswig-Holstein, que estará pronto até ao final do presente ano. Um terceiro troço está definido para o estado de Baden-Württemberg. Os três projetos resultam de um investimento global de 50 milhões de euros do Ministério Federal do Ambiente.

Scania, em parceria com a Volkswagen e a Siemens, fazem igualmente parte deste projeto. Segundo a construtora sueca, um camião elétrico adaptado a estas infraestruturas, pode custar entre 50% e 75% mais que um camiões convencional, sendo o custo de manutenção e carregamento posteriormente inferiores. Atualmente, a autonomia máxima de camiões destas dimensões é somente de dez quilómetros, sendo o objetivo a curto prazo, alargar a duração para 60 quilómetros.

Recorde-se ainda que, além da Alemanha, também a Suécia e os Estados Unidos da América já contam com troços de autoestrada eletrificada.

No Comments

Post A Comment