Portugal está acima da média europeia na mobilidade elétrica | Veículos Elétricos
23800
post-template-default,single,single-post,postid-23800,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1200,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-16.3,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive

Portugal está acima da média europeia na mobilidade elétrica

Portugal é um dos países europeus com uma melhor relação entre PIB per capita e o desenvolvimento da mobilidade elétrica, segundo revela um estudo da vin-info.com, empresa que se dedica à produção de relatórios sobre o histórico das viaturas automóveis. Com um PIB per capita de 19.500 euros em 2018, a quota de veículos elétricos é de 3,4 por cento. Países como a Alemanha ou a França, com um PIB per capita de 41.000 euros e 36.200 euros, respetivamente, a quota é de apenas dois por cento. Por outro lado, a Espanha, com um PIB per capita de 26.200 euros, possui uma quota de veículos elétricos de apenas 0,9 por cento. 

Os bons resultados alcançados por Portugal estão relacionados com incentivos fiscais concedidos pelo Estado para as empresas, designadamente a dedução do IVA na aquisição ou a isenção de tributação autónoma decorrente da utilização destes veículos. Em termos de subsídios diretos para aquisição de veículos elétricos, Portugal está quase na última posição entre os países europeus. A Roménia destaca-se com um apoio de dez mil euros, seguindo-se a França com 8.500 euros, a Itália com 6.000 euros, a Suécia com 5.700 euros, a Inglaterra com 3.900 euros. Em Portugal, o apoio é de três mil euros para as primeiras mil aquisições, mas, mesmo assim, um valor ligeiramente superior aos dois mil da Alemanha, país, que, não obstante, apresenta um PIB per capita substancialmente superior.

No que se refere à rede de carregamento para veículos elétricos, Portugal está a quase a meio da tabela entre os países da União Europeia. Dos 144 mil postos de carregamento disponíveis, mais de 26 por cento estão na Holanda (37.037), seguindo-se a Alemanha com 19 por cento (27.459), a França com 17 por cento (24.850) e Reino Unido com 13 por cento (19.076). Com 1.596 postos de carregamento, o que representa 1,1 por cento, Portugal surge no décimo lugar. A União Europeia recomenda um posto de carregamento por cada dez veículos elétricos, mas atualmente a relação ainda é de um posto por cada doze veículos elétricos, um número insuficiente e que causa constrangimentos aos utilizadores porque nem todos estão operacionais.

Relativamente ao preço oficial de aquisição, que não levam em conta incentivos, opções, incentivos e preços de aluguer de bateria, verifica-se que para os três modelos comparados – Renault ZOE, Hyundai  Kauai e Opel Corsa E – alguma diferença entre os vários países. Para o utilitário elétrico francês, Portugal é o segundo país que apresenta um preço mais elevado – 27.410 euros – só superado pela Polónia, onde custa 37.070 euros. Na Alemanha e em Espanha custa cerca de 21.900 euros, enquanto em França está disponível por 17.700 euros. Menores diferenças existem para o Hyundai Kauai, proposto entre os 34.600 euros na Alemanha e os 35.000 euros em Portugal até aos 38.500 euros na Polónia. Quanto ao Opel Corsa E, o preço é de 29.900 euros na Alemanha, França, Espanha e Portugal, e de 28.884 euros na Polónia. Será de referir que para este último país está previsto um incentivo governamental de 8.700 euros, que ainda não entrou em vigor, que poderá tornar mais interessante a opção por uma viatura elétrica.           

No Comments

Post A Comment