Black Swan: o primeiro barco de passageiros 100% elétrico | Veículos Elétricos
24007
post-template-default,single,single-post,postid-24007,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1200,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-16.3,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive

Black Swan: o primeiro barco de passageiros 100% elétrico

O Black Swan além de 100% elétrico está equipado com baterias em segunda vida. O barco pertence à empresa de cruzeiros Seine Alliance e foi desenvolvido a pensar nos cruzeiros de lazer ou de negócios no rio Sena, em Paris.

O objetivo da Seine Alliance e dos seus parceiros – Grupo Renault e Green Vision – é o de demonstrarem a eficácia de um modelo baseado nos princípios da economia circular, de forma a reproduzir e a criar sinergias entre os vários agentes de mobilidade.

O Black Swan, um barco zero emissões com capacidade até oito passageiros, pode realizar passeios com a duração de até duas horas. É propulsionado por dois motores elétricos, não necessita de gerador ou de motor de combustão como alternativa e representa uma significativa transformação na abordagem das atividades no rio em direção à redução dos seus impactos ambientais.

O barco está equipado com duas linhas de propulsão completamente independentes, autónomas e 100% elétricas o que lhe permite navegar sem preocupações.

As baterias de ião-lítio provenientes de veículos elétricos da Renault, depois de concluído o seu ciclo de primeira vida no automóvel, foram instaladas debaixo dos assentos laterais do barco em quatro caixas de aço inoxidável que foram especialmente desenhadas e concebidas para assegurar a segurança e estanquicidade em funcionamento.

Cada hélice está ligada às baterias com uma potência nominal de 10kW (20kW na potência máxima), que permitem ao barco atingir facilmente as velocidades de cruzeiro habituais. No total, as baterias, pesam 278 quilogramas, o que representa menos do que o peso do habitual tanque de combustível quando instalado um motor de combustão.

O casco com linhas dinâmicas e design intemporal do construtor italiano, Tullio Abbate, manteve-se, mas não tem qualquer motor a bordo ou fora de bordo. A propulsão e viragem são asseguradas por unidades direcionais submersas. “Este é um desenvolvimento técnico que confere ao barco um perfil mais elegante e permite otimizar a ergonomia do cockpit para facilitar a condução e assegurar o máximo conforto aos passageiros, enquanto o barco desliza suave e silenciosamente pelas águas. Os passageiros podem desfrutar de um cruzeiro de duas horas depois de duas a três horas de carregamento das baterias”, explica comunicado de imprensa.

 

No Comments

Post A Comment