Ford vai investir na produção de novos modelos híbridos e montagem de baterias | Veículos Elétricos
24229
post-template-default,single,single-post,postid-24229,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1200,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-16.3,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive

Ford vai investir na produção de novos modelos híbridos e montagem de baterias

A Ford anunciou um novo investimento de 42 milhões de euros na sua fábrica de Valência, em Espanha, em apoio à estratégia de eletrificação da marca, introduzindo novas e sofisticadas linhas de montagem de baterias e para a produção dos novos modelos S-MAX Hybrid e Galaxy Hybrid. Estas duas novas linhas de montagem irão permitir que as sofisticadas baterias de iões de lítio, integradas na propulsão dos novos Kuga Plug-In Hybrid, Kuga Hybrid, S-MAX Hybrid e Galaxy Hybrid, sejam produzidas lado a lado com os veículos, possibilitando uma maior eficiência e sustentabilidade de produção. Possível graças a um investimento de 24 milhões de euros, a nova secção de montagem de baterias começará a ser construída em setembro do presente ano.

Quando forem lançados no início de 2021, os novos S-MAX Hybrid e Galaxy Hybrid irão proporcionar uma maior eficiência de combustível, menores emissões de CO2 e um maior requinte de utilização. O grupo propulsor eletrificado, atualmente o único do segmento, constituirá uma atraente alternativa às propostas equipadas com o bloco diesel Ford EcoBlue, sem comprometer o espaço interior, o conforto ou a flexibilidade. As novas variantes eletrificadas auto-recarregáveis S-MAX e Galaxy serão alimentadas por um motor a gasolina de 2,5 litros (ciclo Atkinson), um motor elétrico, um gerador e uma bateria de iões de lítio, numa produção que se tornou realidade graças a um investimento adicional de 8 milhões de euros em novas ferramentas e em melhoramentos na linha de montagem das instalações da Ford em Valência.

Um investimento adicional de dez milhões de euros destina-se a apoiar a produção do novo SUV Kuga Hybrid. Recorde-se que até ao final de 2020, a Ford vai lançar na Europa 14 veículos electrificados. Como refere Stuart Rowley, presidente da Ford Europa, “com a eletrificação a estabelecer-se rapidamente como a tendência do momento, decidimos aumentar os nossos investimentos em Valência para oferecer aos nossos clientes modelos ainda mais eletrificados e várias opções de propulsão. Ao tornarmos mais fácil do que nunca a transição para um veículo electrificado, prevemos que, até ao final de 2022, as nossas vendas de veículos de passageiros sejam maioritariamente compostas por modelos electrificados”. Desde 2011, a Ford já investiu 3.000 milhões de euros na sua unidade de produção de Valência, dos quais 750 milhões foram aplicados no apoio à produção do Kuga, o modelo Ford mais electrificado de sempre, com uma gama abrangente que incluiu as versões Kuga Plug-In Hybrid, Kuga EcoBlue Hybrid (mild-hybrid de 48 volts) e Kuga Hybrid (full-hybrid).

Os modelos S-MAX Hybrid e Galaxy Hybrid partilham a mais recente arquitetura full-hybrid da Ford, introduzida no novo Kuga Hybrid, incorporando uma bateria de iões de lítio refrigerada a água, montada numa estrutura impermeável e absorvente de impactos, construída sob o piso do veículo para uma utilização mais eficiente do espaço. O S-MAX Hybrid estará disponível em configurações de cinco e sete lugares e manterá o volume de espaço de carga das versões normais (até 2.200 litros) na sua variante de cinco lugares. O Galaxy Hybrid contará, de série, com sete lugares e oferecerá uma flexibilidade optimizada, mantendo o seu habitual volume de carga (2.339 litros). Apoiados por uma transmissão automática do tipo power-split, os propulsores do S-MAX Hybrid e do Galaxy Hybrid têm uma potência antecipada de 200 cv e um binário previsto de 210 Nm, para níveis de aceleração ainda melhores do que as equivalentes propostas equipadas com motores diesel Ford EcoBlue. A capacidade de reboque aponta para 1.500 kg. Capaz de proporcionar propulsão 100% elétrica e propulsão elétrica-gasolina combinada, para uma experiência de condução refinada e reactiva, os modelos apontam para emissões de CO2 de 140 g/km (WLTP) e reduzirão significativamente as emissões de NOx. Outras soluções concebidas para ajudar os condutores a optimizar a eficiência, sem sacrificar o conforto, incluem tecnologias como: Tecnologia de travagem regenerativa, que capta até 90% da energia normalmente perdida durante as travagens, para recarregar a bateria. Interface Ford SmartGauge para monitorizar os consumos de combustível e de energia, com funções como Brake Coach, o qual incentiva a travagem gradual para ajudar a devolver mais energia para a bateria. Direção com assistência elétrica, ar condicionado alimentado electricamente, refrigeração do grupo propulsor e sistemas de vácuo, reduzem significativamente a interferência no desempenho do motor.

Os Ford S-MAX Hybrid e Galaxy Hybrid vão juntar-se às gamas cujas vendas totalizaram perto de 125 mil e 69 mil unidades, respectivamente, desde o lançamento das suas mais recentes gerações, em 2015. Entre janeiro e novembro de 2019, o S-MAX registou um aumento de 9% nas vendas, em comparação com o ano anterior. Adicionalmente, a fábrica da Ford de Valência produz ainda os modelos Mondeo Hybrid e Mondeo Hybrid Wagon. Os Consumos de Combustível, as Emissões de CO2 e as Autonomias Eléctricas declaradas são medidas de acordo com os requisitos técnicos e especificações da Regulamentação Europeia (CE) 715/2007, nas suas mais recentes redacções. Os consumos de combustível e as emissões de CO2 referem-se a uma determinada variante de veículo e não para uma unidade automóvel única. O procedimento do teste padrão aplicado permite a comparação entre diferentes tipos de veículos e fabricantes. Além da eficiência de consumos de um automóvel, o comportamento ao volante, bem como outros factores nãotécnicos desempenham um papel na determinação das emissões de CO2 e dos consumos de combustível de um automóvel. O CO2 é o principal gás responsável pelo aquecimento global. Desde 1 de setembro de 2017, alguns novos veículos têm vindo a ser certificados de acordo com a norma World Harmonised Light Vehicle Test Procedure (WLTP), segundo a directiva (EU) 2017/1151 na sua mais recente redacção, a qual traduz um novo e mais realístico formato de testes para a medição de consumos e emissões de CO2. A partir de 1 de setembro de 2018 a norma WLTP começou a substituir a norma New European Drive Cycle (NEDC), procedimento que vai ser descontinuado. Durante esta Descontinuação Faseada da NEDC, os consumos e emissões de CO2 obtidos segundo a norma WLTP estão a ser comparados com os valores segundo a norma NEDC. Existirão, por essa razão, algumas discrepâncias face à anterior análise de consumos e emissões, pois alguns procedimentos base dos testes sofreram alterações: por exemplo, uma mesma viatura poderá ter diferentes valores de consumos e de emissões de CO2.

No Comments

Post A Comment